Pe. Luís Ferreira


Pe. Luís
O Pe Luís chegou à Póvoa de Santo Adrião em 1986, aquando do cumprimento do serviço militar em Sacavém. A 1 de Outubro de 1992, foi nomeado Pároco da paróquia. Continuando o trabalho do P. Manuel Peixoto, entretanto nomeado superior dos Monfortinos, deu um novo impulso e dinamismo à Paróquia.

Além da pastoral, preocupou-se com a escassez das estruturas e projectou o Centro e nova Igreja Paroquial. A primeira pedra do complexo foi lançada pelo Sr D. Tomaz da Silva Nunes a 14 de Novembro de 1999. O centro Paroquial, inaugurado pelo Sr. D. José Alves A 6 de Outubro de 2002, integra além das salas de catequese o centro social com várias valências como AtL, creche, jardim de infância, apoio domiciliário e fundo de apoio.

Paralelamente foi restaurada e beneficiada a Igreja do Olival Basto e reconstruídos todos os anexos da mesma Igreja. A 18 de Outubro de 2009 foi solenemente dedicada a Nova igreja Paroquial de Nª Srª da Anunciação, por Sua Eminência D. José Policarpo, Patriarca de Lisboa. O trabalho Pastoral teve também um novo impulso com as novas tecnologias nomeadamente, o site paroquial (que agora se renova) e o boletim “Partilhar”.

Segue-se uma "entrevista" feita pelas crianças da Catequese ao Pe. Luís, na data do seu 25º aniversário de sacerdócio:

A razão de ser padre…
Já nasci na catequese. Na família ajudaram-me a conhecer Jesus e sempre me levaram à missa. Aos 10 anos fui estudar para o seminário. Éramos 140 da minha idade. Ao estudar conheci melhor a Igreja e também São Luís Maria de Montfort. Não houve um chamamento numa altura certa para ser padre. Foi um caminho que fui fazendo pouco a pouco, e fui descobrindo que gostava imenso de servir a Igreja.

Nasci no Cercal, perto de Fátima. Estudei 8 anos em Itália. Foi por volta dos 17 ou 18 anos que decidi abraçar a missão, porque o chamamento foi sendo construído pelos exemplos da família, das pessoas que me cercavam. Fui ordenado há 25 anos e tinha na altura 24 anos e meio. Depois de ter sido ordenado estive cerca de dois anos a cumprir serviço militar e desde então estou a servir aqui na paróquia.


Pe. Luís
O percurso escolar…
Aos 7 anos fui para a escola do Cercal, depois fui para o CEF em Fátima. Entrei no seminário onde fiz o meu percurso escolar e onde fui abraçando a missão de servir a Deus como Padre. Fiz o noviciado no sul de Itália durante um ano. Depois fui para Roma estudar Filosofia e Teologia na Universidade de São João de Latrão. Por fim, estudei dois anos da Universidade Marianum, onde aprendi muito sobre Nossa Senhora.

A 30 de Março de 1985 fui ordenado padre.


Irmãos…
Sim. Todos os que são filhos de Deus. De sangue, tenho oito irmãos.


Ser padre, que sentimento e o que gosta de fazer…
Ser padre é relativamente muito bom. Sentir que ajudo os outros, que faço o que Deus quer, que faço os outros sentirem-se melhores… Há coisas que gosto mais de fazer, apesar de tudo ser importante, mas estar com as crianças, com a catequese, é das coisas que mais gosto. Também gosto de estar com os que mais precisam, de fazer baptismos e de ter tempo para rezar. O que menos aprecio fazer são os funerais, pois sofro com os que sofrem.


Um sonho que amadurece…
Desde pequeno sempre tive uma vontade de estar com os outros, de servi-los, de ajudar e de me sentir útil, mas sem fazer nada de especial. Não sonhei ser médico nem bombeiro.

Pe. Luís
Não sei o que teria sido se não fosse padre. Apenas sei que ajudaria os outros. Deus chama-nos através das pessoas, dos pais, dos catequistas e de outras pessoas que se tornam importantes. São essas pessoas que nos ajudam a realizar-nos. Gosto muito de ouvir música italiana, sobretudo do cantor Antonello Venditti.


Um pouco sobre os pais…
O meu pai tem 82 anos, e a minha mãe morreu já há 16 anos. A história da morte da minha mãe está relacionada com a catequese. A minha mãe estava doente e cada vez piorava mais. Num sábado à noite, 16 ou 17 de Junho, os meus irmãos disseram-me que a minha mãe estava pior, mas o encerramento da catequese era no dia a seguir. Iam cerca de 1 000 crianças e eu não pude ir ter com a minha mãe. No domingo de manhã ligou a minha irmã a dizer que a minha mãe tinha morrido, mas eu não podia deixar as crianças da catequese para estar com os meus irmãos e o meu pai, apesar da tristeza que me acompanhava. Fui com a catequese, celebrei a missa no final da manhã e depois sem dizer nada a ninguém, fui ter com os meus irmãos. Apesar de ser preciso em ambos os lados, não pude deixar a catequese por causa da minha família.


Uma entrega…
A vida do Padre Luís é de dedicação total à vida da paróquia e das pessoas que dela fazem parte.


Dia 25 de Setembro de 2011 cedeu o seu lugar como Pároco ao Pe. Rui Valério, assumindo a 1 de Outubro de 2011 a sua nova missão, como Pároco das Paróquias de Mira de Aire, Alvados, São Bento e Serra de Santo António, onde se encontra actualmente.