A Recordar


08-12-2012 – Bênção e Entronização das imagens da Anunciação



No dia da Imaculada Conceição da Virgem Maria, 8 de Dezembro de 2012, a comunidade Paroquial esteve uma vez mais envolvida num grande momento de louvor à Mãe de Deus, ao colocar no seu altar a imagem de Nossa Senhora da Anunciação e do Arcanjo S. Gabriel. A bênção das imagens foi presidida pelo Sr. Pe. Luís Ferreira, com a presença do Pároco Pe. Rui Valério e do Pe. Manuel Vieira. Presentes estiveram os Arquitetos Luís Líbano Monteiro (autor do projeto das imagens) e Miguel Andrade e Sousa (autor do projeto da Igreja), bem como o Sr. Rogério Breia, Presidente da Junta de Freguesia da Póvoa, acompanhado pelos vogais Cristina Mendes e Luís Sá.

Esta Anunciação representa Maria e o Anjo Gabriel no momento da Encarnação. Depois de Maria ter dito "faça-se em mim", Jesus é gerado no seu seio. Nesse instante Maria é envolvida pelo Espírito Santo, representado na imagem por uma pomba, que, do seio de Maria voa, veloz, na nossa direção, mas também por um forte vento que faz esvoaçar o cabelo e o manto. Maria, cheia do Espírito Santo, de olhos bem abertos, leva a mão direita ao ventre onde Jesus acabou de ser gerado (gesto que lembra as "Senhora do Ó"). O vento do Espírito Santo alarga o manto que forma uma concha, como um outro ventre. Maria aceita e colabora: segura o manto com a mão esquerda convidando-nos a entrar também como filhos na intimidade do seu Filho. Olha para nós: o momento que vive é uma missão. No mesmo instante o Anjo Gabriel, o anunciador, ouvido o Sim de Maria, fica silencioso, e curva-se para se prostrar em adoração a Jesus, no espanto perante o tremendo mistério — Deus, com quem vive na glória do Céu, está agora ali, gerado homem. Curva-se também perante aquela menina tão senhora que passou a ser naquele instante a Mãe de Deus. O anjo, puro espírito que tomou forma para este encontro que relançou a História dos Homens, vai partir.

A Anunciação é composta por duas esculturas:
Maria e Anjo Gabriel.
Concebida para a igreja de Nossa Senhora da Anunciação, da Póvoa de Santo Adrião.
Altura das imagens: Maria 1,60m, Anjo 1,80m (mais que 2m se em pé).
Material: madeira de okoumé (aucoumea Klainena ), africana.
Acabamento a cera virgem de abelha.
Executantes: Manuel Moreira e Augusto Ferreira, escultores de arte sacra, São Mamede do Coronado, Portugal.
Data execução: 2012, Março a Novembro.
Bênção: 8 Dezembro 2012.
Autor: Luís Líbano Monteiro, arquiteto




12-07-2010 – Inaugurados os sinos da torre da Igreja Paroquial



No dia 12 de Julho ouviram-se pela primeira vez os sinos da Igreja Paroquial da Póvoa de Santo Adrião.
Os sinos são três:
O sino maior (nota musical SOL#) pesa 520 Kg. Com o cabeçalho, badalo, etc. chega ao 720 kg. Tem um diâmetro de 93 cm.
O sino intermédio (nota musical DO#) pesa 260 kg. Tem um diâmetro de 74cm.
O sino inferior (nota musical RE#) pesa cerca de 150kg. Tem um diâmetro de 62cm.
Os nossos sinos foram fundidos em Braga pela conhecida empresa, “A Fundição de sinos de Braga – Serafim da Silva Jerónimo, Lda.”








18-10–2009 – Solene Dedicação da nova Igreja Paroquial



Finalmente uma nova casa, um templo maior, um motivo de festa para todos os que sonharam com a “Nova Igreja”. Sob a proteção maternal de Nossa Senhora da Anunciação, os Cristãos da Póvoa dedicam este novo Templo ao Senhor.

Em cerimónia presidida pelo Senhor Cardeal Patriarca, D. José Policarpo, com a presença do Bispo Auxiliar de Lisboa, D. Tomaz Nunes, o nosso Pároco, Pe. Luís Ferreira, muitos sacerdotes Montfortinos, entre os quais o Pe. Manuel Peixoto – superior da S.M.M., e outros sacerdotes da Vigararia, foi com a nova igreja superlotada, e ainda com muita gente a seguir a cerimónia em ecran gigante no exterior, que a comunidade da Póvoa agradeceu ao Senhor todo o apoio concedido para a realização desta obra, e coloca-a ao serviço da Fé em Jesus Cristo.

Na véspera realizou-se uma vigília de oração na Igreja Matriz, que esteve repleta, e muitos aguardaram na rua a saída da procissão. Foi um momento de grande fé em que com as velas na mão centenas de paroquianos acompanharam a imagem de Nossa Senhora de Fátima até à porta da nova Igreja, enquanto os jovens apresentavam cenas da vida de Maria até ao “Momento” da Anunciação.

No Domingo, quando as portas da Igreja se abriram, todos queriam escolher o melhor lugar para participar na celebração, e no espaço bonito e acolhedor entoaram-se cânticos de alegria e louvor.

Completou-se assim o complexo Paroquial, iniciado em 14 de Novembro de 1999 com o lançamento da primeira pedra, continuado em 6 de Outubro de 2002 com a inauguração do Centro Paroquial. O dia 18 de Outubro de 2009 prova que quando uma comunidade se une em torno de um objetivo, as barreiras vencem-se e não há obstáculos que não se derrubem.

Não podemos deixar de prestar o nosso agradecimento ao timoneiro desta barca, que tudo fez para a levar a bom porto: o pároco Sr. Padre Luís Ferreira

(Mário Costa)



26-06-2005 - Aquisição de um órgão de tubos



Órgão de Tubos
A aquisição de um órgão de tubos para a igreja da Póvoa de Santo Adrião, é o culminar de um percurso que se iniciou com o uso do harmónio e, posteriormente, com os órgãos electrónicos, na liturgia.

Preocupações com a deterioração do actual órgão proveniente do seu sistema eléctrico, que o torna com o decorrer dos anos, obsoleto e sujeito a falhas de impossível reparação, obrigaram a agir e a tomar uma decisão. Mandar construir um órgão de tubos com capacidade e qualidades de sonorização capazes de servir para a nova igreja, tendo em conta espaços com acústicas diferentes.

No entanto, impunha-se como prioridade, mandar construir novos bancos para a igreja, recorrendo-se deste modo, a uma campanha (campanha do órgão e dos bancos) para angariar fundos. Foi necessário expandir esta campanha a outros sectores da nossa comunidade, tomando iniciativas como as “Janeiras”, que procuraram duma forma simples e espontânea envolver toda a comunidade local. Contudo, cabe a todos nós que nos reunimos em Assembleia Dominical, o maior compromisso de concretizar esta acção, pois a indiferença e a falta de interesse, podem perturbar o entusiasmo e empenho que muitos dedicam a esta campanha.

É de salientar que os documentos conciliares orientam e afirmam que “os objectos destinados ao culto divino devem ser dignos e belos como sinais e símbolos das realidades celestes”.

O órgão mandado construir está concebido para a Liturgia, podendo ter também uma dimensão cultural, desde que promova e dê a conhecer o riquíssimo património musical da igreja, através da realização de concertos (que normalmente acontecem na nossa paróquia, no Natal ou na Páscoa).

Os documentos da Igreja testemunham a aproximação do órgão de tubos à liturgia, afirmando: ”O órgão é o instrumento, por excelência da liturgia”. E consideram-no como instrumento modelar. “Traz esplendor e magnificência aos ritos, toca o coração dos fiéis pela gravidade e doçura do som, enche o espírito de uma alegria quase celeste, eleva poderosamente para Deus e para as coisas do alto.”

É um instrumento não muito grande, de seis registos, que em termos técnicos se designa por “positivo”. Dada a sua complexidade, estes instrumentos podem demorar dois, três ou mais anos a construir. Todo ele é manufacturado, tornando-o num instrumento único e dotado de uma sonoridade e personalidade próprias. O seu construtor é húngaro, é um mestre organeiro de prestígio, com trabalhos de restauro e de construção de novos órgãos em países como a França, Alemanha e Holanda. Sendo construído na Hungria, foram introduzidos alguns elementos que o tornarão num instrumento de características ibéricas, como a divisão do teclado. Uma outra particularidade encontra-se nos puxadores com os nomes dos registos em português gravados na porcelana.

Foi construído por “PÉCSI ORGONAEPÍTÓ MANUFAKTURA” de Pécs – Hungria, em 2005 sendo organeiro responsável Attila Budavári. Confiamos nos seus construtores, pois das suas mãos, do seu engenho e arte outros confiaram a construção do grande órgão para a grande sala de concertos de Liszt, em Budapeste.

O órgão foi Solenemente Benzido em 26 de Junho de 2005 e inaugurado de seguida com um concerto em que foi organista António Manuel Esteiro e que contou com a participação de Ana Leonor Pereira, soprano, e João Pedro Fonseca, flauta. Tendo sido interpretadas obras de Johann Sebastian Bach, Heinrich Schutz e Dietrich Buxtehude. Desde sempre o órgão exerceu um fascínio especial sobre as pessoas, crentes ou não crentes. Da sua força e beleza, saibamos nós louvar o Criador.

(João Galvão)


06-10-2002 - Inauguração do Centro Paroquial



Inaugurado no dia 06 de Outubro de 2002 por D. José Alves, Bispo auxiliar do Patriarcado de Lisboa, o Edifício do Centro Paroquial conta com várias salas para a catequese e grupos de jovens, sala para o fundo de apoio, copa, salas de reuniões, salas de catequistas bem como um salão polivalente com palco.

Dispõe ainda de bar e de dois grandes terraços para eventos variados.

O dia da inauguração foi um dia de festa para a comunidade paroquial da Póvoa de Santo Adrião e constou de três partes: a bênção das instalações pelo Sr. Bispo, um momento recreativo com animação musical e uma representação pelas crianças da catequese, grupo de jovens e alguns catequistas e ainda um lanche-convívio para o qual todos contribuíram com alimentos e outras coisas necessárias.

Foi um grande dia na nossa comunidade, o culminar de um sonho, mas também o despertar para outra realidade: a grande responsabilidade de lhe dar utilidade. A comunidade paroquial espera ver frutos desta construção.

Mas agora não pode haver paragens: o próximo passo, e sem o qual este não fica completo, é a construção da nova Igreja Paroquial.



21-09-2002 – Inaugurada a presença da Paróquia na Internet.



O Santo Padre, João Paulo II, em nota pastoral para a celebração do 36º Dia Mundial das Comunicações Sociais, declarou a Internet como um novo foro para a proclamação do Evangelho, tendo afirmado: “Ouso exortar toda a Igreja a ultrapassar com coragem este novo limiar, para se fazer ao largo na “Net”, de tal maneira que no presente, assim como foi no passado, o grande compromisso do Evangelho e da cultura possa mostrar ao mundo a glória de Deus e o rosto de Cristo (2 Cor 4, 6).” Assim se lançou mão ao trabalho e em Setembro de 2002 foi lançado o site paroquial, na sua antiga forma e no seu precário alojamento. Lembremo-nos que não houve mão externa, mas apenas a vontade e capacidade de quem, de dentro, aceitou o desafio. Muitos foram os que nos fizeram saber da sua utilidade, para acompanhar a vida e o pulsar da paróquia, quando ausentes da nossa terra.


14-11-1999 – Colocada a primeira pedra do Complexo Paroquial



Em 14/11/1999 foi colocada a primeira pedra da Nova Igreja e Centro Paroquial (dedicada a Nossa Senhora da Anunciação). Foi um grande dia para a comunidade que contou com o Sr. Bispo, D. Tomáz Nunes, o vigário Pe. Daniel Henriques, o Pe. Luís, o Pe. Manuel, vários Sacerdotes Monfortinos, autoridades autárquicas, etc.…

Partindo da Igreja Matriz, a comunidade subiu para o local onde se vai fazer a construção, com grande alegria e participação. Chegados ao local foi celebrada missa campal tendo-se procedido à bênção da primeira pedra.



21-11-1998 – Publicado o primeiro número do Boletim Partilhar.



Foi desta maneira que o Partilhar foi apresentado à Paróquia na sua primeira edição:

“Há três atitudes que devem guiar este boletim informativo paroquial. Ele quer ser, acima de tudo, um instrumento de testemunho, por isso faremos todos um esforço em dar a conhecer a vida, as acções, as celebrações da nossa comunidade paroquial; de reflexão, por isso, se fará um esforço em estar atentos às questões que o mundo, a Igreja e a fé nos colocam; de simplicidade, por isso não será tão importante a arte do discurso ou da imagem (embora se procure não menosprezar o ‘look’) quanto a transmissão de fraternidade.”